domingo, 26 de fevereiro de 2012

Sejamos...

Sejamos como o sol, que não possui nenhuma lista de endereços, para enviar seus
raios luminosos.
Ele ilumina e aquece o bom e o mau, o americano, o russo e o brasileiro.
No meu, no teu jardim, ele faz que as flores desabrochem;
no meu, no teu pomar, adoça e amadurece nossos frutos.
Há muita noite triste por aí, pedindo que lhe leve o sol da alegria.


Sejamos como a chuva, que não tem mapas com limites e fronteiras,
para delimitar o campo a ser regado.
Há tanta mente sequiosa por aí, esperando uma gota de ternura...

Sejamos como a fonte, sempre ao alcance de qualquer que estenda a mão, a mão
ansiosa, em concha, preta ou branca, velha ou jovem, pouco importa...
A fonte é uma perene fonte borbulhante!
Há tanta mente sequiosa por aí pedindo que lhe leve as águas de verdade!

Sejamos como a árvore, que não recolhe os galhos com seus frutos quando chega
algum pobre...
Oferta seus ramos a qualquer ave que neles queira fazer seu ninho;
quer seja canarinho de bom canto ou talvez, um pardal barulhento!
Há tanto sofrimento por aí, buscando um terno abraço, no qual possa animar sua
dor.

Sejamos como a terra, que não tem cara e nome, conta bancária ou posição social.
Acolhe em si, em si abraça, em si fecunda a semente que cai, sem nunca olhar a
cor da mão que a lança.

Há tanta terra boa aí, que espera quem lhe leve uma semente, semente da palavra
e de boa ação.

Sejamos como o mar, que acolhe no seu seio generoso grandes rios que têm nomes
no mapa e riachos anônimos, sem glória;
as águas puras, transparentes, das montanhas e os sórdidos esgotos da cidade.
Há tanta consciência poluída por aí, à espera de quem a acolhe e purifique.

Sejamos como as aves e cigarras, que dão concertos grátis para todos, sem
reclamar direitos autorais.
Há tanto desespero por aí, na espera ansiosa de quem lhe cante um hino de
esperança.

Sejamos como a lua e imitemos as estrelas, que não querem saber quem é que está
"lá embaixo" antes de ornar o céu e enfeitar a noite.
Há tanta noite escura por aí, cantando com o luar do teu amor, e as estrelinhas
benfazejas das tuas boas ações.

Então, sejamos todos, vida afora, assim, gratuitamente, alegremente,
eternamente: sol, terra e mar, árvore, fonte, lua, estrela e ave!
Que alguém possa dizer que foi feliz, ao menos um segundo em sua vida, porque
passamos por seu caminho!!!!



Galerinha, este texto é de um escritor catarinense, mas não consigo me lembrar seu nome. Só sei que achei lindo. Espero que também tenham gostado.


Mil beijos a todos... Fiquem com Deus...

10 comentários:

  1. Que lindo!!!!
    Isso mesmo, sejamos simplesmente.
    Esta gratuidade de ser sem esperar nada em troca e não olhar a quem se chama Graça!
    Beijos e mais beijos!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém!!! Martinha, como sempre, você é o máximo. Obrigada pelo carinho...

      Milhares de beijos...

      Excluir
  2. Como sempre vc escreve lindamente, gostei muito do que voce escreveu.Penso que atingimos o estado da generosidade qdo fazemos sem esperar nada em troca. bj Teresa Zogaib

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigada, querida. Beijos...

      Excluir
  3. Você é tão sensível e maravilhosa, e bacana disso tudo, é que você deixa impresso nas linhas que escreve toda doçura e bravura que faz parte de você.

    Você não é só um alguém que Deus colocou em minha vida, mas sim, um desses milagres realizados pela natureza divina tão qual as maravilhas que você descreveu em seu texto.

    Beijos todos, Titia!

    ResponderExcluir
  4. P.S: Estou consciente que o texto é de um autor catarinense :D, que você o assimilou em sua essência, e que faz parte de você. Bjs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rô... Você é muito gentil, minha amiga querida. Muito obrigada pelo carinho e força de sempre... Obrigada por existir e ser minha amiga, sou muito abençoada por isso...

      Milhares de beijos, minha flor...

      Excluir
  5. Não só é lindo como também verdadeiro. Que sejamos como as aves que cantam em uma sinfonia áfinada espantando todas as tristezas.
    Não cobram direitos autorais...Que pena que não se lembra o nome do autordesta jóia. É digno de pertencer à academia de letras.
    Parabéns Ana por compartilhar esta maravilha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lindo, né?! Eu tmb achei incrível, mas infelizmente, não me lembro o nome mesmo. Eu ouvi pela primeira vez, no primeiro dia de faculdade, uma das professoras do curso o recitou, simplesmente me encantei, me tocou na hora. Então quando cheguei em casa fui pesquisar, mas não encontrei o nome do autor. Mas vou tentar perguntar para a pessoa que apresentou no primeiro dia, qlqr coisa eu posto aqui. Muito obrigada por ler e sua atenção em comentar aqui no blog, fiquei muito feliz. Seja sempre muito bem vindo.

      Excluir
  6. SALVAÇÃO

    Ela está no sorriso pueril de uma criança,
    No abraço fraterno e caloroso de um pai,
    Nos seios de uma mãe cuja vida flui
    Ao alimentar seu recém-nascido,
    Na severidade dura das palavras que nos ensinam.

    Numa oração isenta de religião,
    Numa estrela que brilha
    Trazendo para a humanidade as Boas-Novas.

    A salvação está contida na própria palavra
    Cuja ação salva e doutrina.
    Está na mais singela das poesias
    E no mais complexo dos poetas
    Que recomeça sempre,
    Com uma nova inspiração.

    A salvação está na fé
    Que invade o coração do homem
    E o alimenta de esperança
    Para que vença o seu longo
    E incessante caminho
    Na construção de um mundo melhor...

    (Agamenon Troyan)

    * Do meu livro (O ANJO E A TEMPESTADE)

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...